O Pé

O Pé
Tudo que pisamos, nos apoia.

2 de jun de 2009

QUADROPHENIA

Já contei como comecei a escutar rock (se tiver curiosidade leia Too Old to Rock). Em 1973, o The Who lançou o autobiográfico Quadrophenia. Três anos antes eles abortaram o projetoLifehouse (um documentário sobre a rotina da banda) e que acabou se tornando no sensacional Who´s Next
Quadrofênia é definido pela psiquiatria com um caso mais sério que bipolaridade (isto está 
explicado no texto de apresnetção do disco). Como eram quatro pessoas que formavam a banda, o som e as características do The Who eram o reflexo da quadrupla personalidade.
Para situar os incautos, nos anos 60, a maioria dos grandes artistas ingleses estudavam na Escola de Artes de Londres. Muitos integrantes dos Beatles, Rolling Stones, Pink Floyd, The Who, Yardbirds se conheciam dos corredores da escola ou eram da mesma turma.
Quem não conhece as histórias que Beatles e Rolling Stones combinavam suas estratégias musicais sentados em um bar. Enquanto os Beatles eram rapazes bonzinhos os Stones eram os bad boys.
A cena londrina era propícia ao surgimento da revolução musical cultural que iria acontecer.
Nos anos 80 eles fizeram vários projetos e concertos juntos.
O The Who foi sempre uma banda que os egos faíscavam em brigas no palco e fora dele.
Para retratar esta diversidade de personalidades e
 comportamentos, eles usaram a música.
O disco mostra isto através da história dos Mods (grupo moderninho do anos 60, fãs da banda, que andavam de Scooter e rivalizavam com os motoqueiros).
Na primeira música, a questão que aflige os jovens da humanidade em relação a seus pais e pessoas mais velhas: Can You See The Real Me? O personagem principal vive o dilema do estereótipo por usar roupa estravagante, penteado ou tatuagem. 
O disco é um clássico, em CD duplo.
Em 1974, a extinta Eldopop (que se transformou na  98 e hoje em dia, toca pagode e afins) tocava o disco inteiro sem intervalos comerciais ou locutores para falar asneiras ou errar o nome do
 artista ou da música.
Naquela época mesozóica da informação, tudo era escasso. Os discos eram lançados lá fora, e quando chegavam aqui tinham as vezes uma defasagem de 3 a 4 anos.
Quem conseguia um disco dizia que tinha garimpado em algum sebo a raridade.
Hoje basta usar The Pirate Bay ou Isohunt para o download.
Download nos anos 70, poderíamos classificar como um previsão de Nostradamus.
O falecido Big Boy, DJ famoso dos anos 70, trazia as novidades e informava para quem fosse procurá-lo quais eram as bandas que tocavam na Eldopop (quem não lembra ainda de Mounsier Limá e Ademir Lemos?)
Quadrophenia era um dos mais tocados na rádio. 
Em 1979, eles lançaram o filme do disco, como fizeram anteriormente com Tommy.
Sessão nostalgia ou naftalina...
O disco original em vinil vinha com um livreto de fotos mostrando a saga do mod.
Nos anos 80, meu pai viajou para a Europa a passeio. Eu não podia perder a oportunidade.
Pedi para ele duas coisas: Tommy e Quadrophenia do The Who e um pedal de guitarra, overdrive, Boss, amarelo.
Como ele iria passar em Londres, capital do rock, não tinha como dar errado.
Escrevi num papel o que queria.
Especificado...com cor...tamanho...peso...etc. 
Os discos vieram.
Edição britânica. 
Com livreto.
Da terra dos caras.
O pedal...bem o pedal, ele trouxe o pedal.
Só que não comprou em Londres.
A compra foi na Espanha.
Guitarra lá é o popular violão.
E pedal para guitarra é um apoio para colocar os pés...
...e eu nem toco violão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é importante, mesmo que seja nada, ele pode ser tudo.