O Pé

O Pé
Tudo que pisamos, nos apoia.

11 de mai de 2009

SER O MELHOR PARA ALGUÉM, NÃO PRESSUPÕE QUE VOCÊ SEJA O MELHOR PARA ELA pt4

No final de semana, ouvi o jovial e simpático amigo falar sobre o tema acima.
Relacionamentos não são lógicos.
Por mais que racionalizemos o assunto, não podemos usar parâmetros para estabelecer explicações, conselhos ou teses.
A única coisa que é certa: é ilógico.
Algumas pessoas gostam de aferir aos relacionamentos, aspectos divinos nas escolhas.
Não sei onde baseiam esta certeza de que Deus vai fornecer a pessoa amada.
Se alguém sabe o contrário que estou errado biblicamente, deixe seu comentário com as passagens bíblicas.
O único caso que observamos é o de Adão e Eva.
Porém, só existiam os dois.
Relacionamentos só podem ser taxados como divinos, quando eles não interferem no propósito de Deus para a vida dos dois envolvidos.
Entretanto isto só se descobre, quando namoram.
Suposições só se tornam válidas, quando validadas na prática.
Óbvio!!!
Interessante quando existe toda uma pressão para pessoas que namoram alguns meses, com perguntas quando vão marcara a data do casório, ficam noivos quando, etc.
Vamos ser sinceros e honestos: ninguém namora para casar.
Namorar para conhecer para ver se dá para casar.
Quem não namora não casa.
A não ser quando nos deparamos com uniões arranjadas.
Um com fome e outro com a comida.
Sem trocadilhos.
Quantas pessoas conhecemos que tem casamentos horripilantes de fachada ou que se separaram por causa desta máxima (mínima) de namorar para casar.
Mal se conhecem, e o que conhecem mal esboça a verdadeira natureza escondida.
Manias, transtornos obssessivos compulsivos, esquizofrenia, etc.
Escondem até violência doméstica.
Observo casais que não se beijam, nem dão as mãos. Parecem conhecidos e não casados, pelo tipo de relacionamento que desenvolveram através dos anos.
Muitas vezes nem íntimos na cama conseguem ser.
Uma vez chegaram para mim e falaram (em tom de crítica) para eu falar com um casal de amigos meus para eles minimizarem abraços, beijos e carícias no hora do culto.
Apesar dos anos juntos  e dos filhos, eles ainda se curtem.
E qual o mal?
O bem está em pessoas aparentarem casamentos e relacionamentos instáveis dentro das igrejas?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é importante, mesmo que seja nada, ele pode ser tudo.