O Pé

O Pé
Tudo que pisamos, nos apoia.

7 de mai de 2009

ESTEREÓTIPOS

Os pobres estereótipos que alguns adotam como padrão para suas vidas e classificar pessoas, são pobres.
Óbvio.
Esta semana um cidadão resolveu misturar os canais comigo.
O sujeito não aguenta brincadeira.
Soube disto depois.
Gosta de zoar as pessoas, e aproveitou a vitória do Flamengo para massacrar os botafoguenses.
Quem age assim, tem que ter na mesma medida o bom humor e aguentar as farpas que venham contra.
Independente do acontecido, lá pelas tantas o sujeito não gostou das minhas farpas, ameaçou me processar e de cima da sua sapiência (bem questionável) resolveu julgar o livro pela capa e por ter ouvido falar.
Semana passada, foi preso um marginal que matou um rapaz em um ônibus.
Ele tinha várias tatuagens no corpo.
Entre elas: O Senhor é o meu Pastor e nada me faltará.
Ao ler isto tatuado no braço do bandido, imediatamente você diria: ele é crente!
Ao ver um homem de terno em pleno domingo ensolarado você fatalmente vai afirmar: ele é crente!
Nossos valores sempre se baseiam nos estereótipos.
Na porção de juízo que fazemos dos outros.
Até eu estou fazendo juízo do sujeito que tem o desejo de me processar.
Os patamares que muitos se colocam, não condizem com a sua capacidade ou noção do que acontece a sua volta.
Infelizmente, o número de pessoas que se tratam como donos da verdade e do mundo aumentou.
No entanto, o mundo continua povoado por dezenas de pessoas.
Todas as relações que estabelecemos em nossas vidas são de mão-dupla.
Não adianta querer jogar na parede uma bola de borracha e achar que ela não vai voltar.
Eu prefiro ter má fama.
Pelo menos as pessoas não se espantarão com alguma reação minha.
Os supostos bonzinhos se escondem atrás de ternos, discursos clichés, cantam em coros, oram chorando, são os únicos honestos no mundo, são religiosos de fachada.
São verdadeiras lendas.
O meu problema maior será sempre a falta de paciência com as pessoas.
Tento me corrigir.
Por mais errado que possamos estar é sempre melhor sermos honestos com nossos pares e conosco.
O cachorro Pincher é considerado um dos cachorros mais violentos, apesar do tamanho.
Porém, pitbulls (mesmo sem dentes) dilaceram e destroem mais que eles.
Uma das minhas cachorras não tinha metade da dentição por causa da idade.
Mas ficava pendurada em um pneu por horas se balançando.
Por isso um pitbull tem que andar de mordaça pelas ruas.
Se pegar não solta.
Eu coloquei a minha mordaça para não pegar o sujeito.
Pedi desculpas pelas minhas respostas.
Pena que ele não tenha capacidade para entender o que escreve e muito menos o que lê.

Um comentário:

Seu comentário é importante, mesmo que seja nada, ele pode ser tudo.