O Pé

O Pé
Tudo que pisamos, nos apoia.

14 de mai de 2009

CHOCOLATE DEMAIS É BOM, MAS FAZ MAL. pt 6

Geralmente os textos, as idéias vem naquele momento sonolento.
Na cama, já adormecido fisicamente e confortavelmente entorpecido pela letargia da noite, as idéias começam a fervilhar na cabeça.
As melhores idéias para escrever se perdem no mar de sonhos que não lembro.
Em dias que estou menos preguiçoso, escrevo no livrinho ou na agenda um esboço.
Mas normalmente quando acordo, desisto de escrevê-la.
Fico com aquela sensação que os sentidos me traíram, e o que estava sentindo só pertencem àquele momento enevoado.
Para completar, enquanto escrevo estou vendo Live at Pompeii do Pink Floyd, uma viagem tão grande quanto esta introdução.
Nada como uma barra de chocolate para aumentar a satisfação aparente e elevar o espírito.
Ontem, estava divagando sobre alguns acontecimentos recentes e suas implicações.
Não sou tão ruim quanto aparento e nem tão bonzinho, quanto escondo.
Quando mudamos alguma coisa, e fica aparente e evidente a mudança, e não classificação dos incautos, serve como um exemplo exemplar, mesmo que voltemos alguns passos atrás, não dá voltar (mudar) tudo que andamos.
As relações que nos beneficiam, que nos influenciam, às vezes se perdem.
O que antes fazia sentido, agora não faz mais.
O que já ouvi antes do jovial e simpático amigo sobre ser melhor para alguém, que escrevi em Ser o Melhor e também em A Falta que a Falta faz só fazem sentido quando as expectativas são atendidas.
Hoje em dia, a velocidade dos acontecimentos e transformações, não deixam muito tempo para refletir.
Uso o blog para refletir sobre tudo.
Um olhar umbilical sobre nada.
Nunca fui de me envolver muito com as pessoas, talvez isto seja uma barreira para se conhecer o lado bonzinho.
E baixar a guarda para ser o melhor para alguém, é bonito.
Mas na prática não funciona.
Os afortunados que conseguiram isto, acabam se tornando conselheiros e defensores do amor nos relacionamentos.
Conseguem formar uma família (nenhuma é perfeita...).
Acho que ser o melhor para alguém é uma bandeira panfletária.
Discurso que para alguns vai funcionar e para outros ficará junto com Alice em seu país das maravilhas.
Não estou sendo ácido.
Apenas realista. Não desisti de casar de novo. Por enquanto...
E para baixar a guarda é preciso gostar de muito de alguém. O que não é garantia de nada.
Mesmo ouvindo palavras que avalizem a garantia.
Mas como toda garantia, é limitada e as vezes não é estendida, é bom ler as letras miúdas do contrato e entender subliminarmente as entrelinhas.
Talvez eu goste de chocolate demais e isto está fazendo mal agora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é importante, mesmo que seja nada, ele pode ser tudo.