O Pé

O Pé
Tudo que pisamos, nos apoia.

26 de mar de 2009

PITBULL SEM DENTES

Um amigo me disse que não estou mais tão briguento quanto antes.
Antes eu realmente brigava pelo que acreditava.
Acho que ando meio cansado.
Ou talvez, falte ousadia e sobre acomodação.
Até uma certa preguiça em escrever tem assombrado.
Tenho despejado vídeos e colagens de textos interessantes.
Faltar um pouco da acidez, torna tudo muito morno.
Na verdade, a preguiça literária surgiu depois dos vídeos que coloquei com myself.
Não é egocêntrico, mas uma maneira de poder interpretar melhor o que escrevo.
Tenho passado por este problema com uma amiga.
Por não conseguirmos conversar alive, as palavras escritas tem complicado nossa relação.
O sentido do que escrevemos sempre está contido apenas em nós.
Qualquer outro significado está livre apenas na pessoa que lê.
Contraditório, mas significativo.
A comunicação falada, escrita ou desenhada foi um dos maiores avanços da humandade.
E por vezes proporcionam os maiores atrasos nas nossas relações.
Explicar o que se sente nunca foi fácil para ninguém.
Lembro que de uma poesia de Alvarez de Azevedo.
Quando era adolescente tinhamos uma banda no prédio que usava latas, caixotes e outros coisas estranhas para fazer muzk
Influencia Hermeto Paschoal.
Como escutávamos muito heavy metal, e as letras macabras, soturnas e mortais imperavam, Azevedo foi crucial para a criação de um dos clássicos da banda (em outro post conto a história da banda).
Se eu morresse amanhã...era o título.
Se eu morresse amanhã, viria ao menos
Fechar meus olhos minha triste irmã;
Minha mãe de saudades morreria
Se eu morresse amanhã!

Quanta glória pressinto em meu futuro!
Que aurora de porvir e que manhã!
Eu perdera chorando essas coroas
Se eu morresse amanhã!

Que sol! que céu azul! que doce n’alva
Acorda a natureza mais louçã!
Não me batera tanto amor no peito
Se eu morresse amanhã!

Mas essa dor da vida que devora
A ânsia de glória, o dolorido afã
A dor no peito emudecera ao menos
Se eu morresse amanhã!

Palavras se perdem.
Quanto mais escrevemos ou falamos, mais sem sentido elas se transformam.
Olhares são mais eficientes em muito momentos.
Talvez eu deva chutar alguns latões de lixo.
Socar a porta da geladeira.
Liberar um pouco da adrenalina.
A expansão da violência é perigosa?
Criar pitbulls é perigoso?
Ser religioso de plantão é perigoso?
Tinha uma fêmea de pitbull que não tinha grande parte da dentição. 
Ela quando estava comigo tinha uns 8 anos.
Apesar da falta de dentes, ela mordia o pneu e ficava se balançando no quintal por horas a fio.
Mesmo pitbulls sem dentes causam estragos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é importante, mesmo que seja nada, ele pode ser tudo.