O Pé

O Pé
Tudo que pisamos, nos apoia.

10 de fev de 2009

O AMOR É CEGO SURDO E MUDO?

A vida não tem graça sem amores impossíveis.
Buffy, a caça-vampiros apaixonada pelo vampiro Angel.
Mulder e Scully, o casal que apesar de estarem juntos, formam um casal separado.
Ou ainda a médica Cameron apaixonada por House, que odeia pessoas e relacionamentos.
Poderia ficar aqui descrevendo dezenas de relacionamentos impossíveis.
Quem nunca vivenciou esta X-tranha relação?
Quando estava no ginásio, lembro que minha turma tinha muito mais meninas do que meninos.
Acho que a proporção era de um menino para 10 meninas.
Um paraíso (ou inferno) feminino.
A primeira garota que gostei no ginásio se chamava Beatriz. Uma menina loira, cabelo liso grande e linda
Pelo menos para mim.
A minha geração não era tão destemida quanto a atual, que com 12 anos já namora, fica, tem filhos, etc.
Acho que comecei a namorar com 16 anos.
Nada extraordinário.
Com a Beatriz, não namorei, não fiquei e nem beijei.
Aliás, nem falava com ela.
Ela era de outra turma.
Só nos encontrávamos na aula de inglês que era em conjunto com a turma dela.
O melhor dia foi quando sentei ao lado dela na aula. Ela até me emprestou a borracha e uma caneta (desde aquele já era um aluno relapso a levar material para escola).
Foi uma vez só.
Amor impossível.
Na faculdade, tinha uma menina que nós a chamávamos de musa.
Loira, rosto de porcelana, parecia que tinha vindo diretamente de um filme noir.
Ela parecia Sean Young do filme Blade Runner, só que loira.
Como sempre achei que fosse amor impossível, até porque o numero de interessados era grande, nunca pensei que fosse rolar alguma coisa.
E não rolou mesmo.
Numa festa de fim de ano, ela estava interessada, mas ei por não acreditar no impossível, fiquei com outra.
Provavelmente, sou daquelas pessoas que não tem sorte no amor.
A sincronia amorosa não é o meu forte. Quando estav afim, ela não estava. Quando ela esteve afim, eu escolhi outra.
Acho que esta diferença de vontade, me persegue.
Agora estou mais atento.
Não quero jogar fora oportunidades por ser impaciente.
No amor não dá para ser ser cego, surdo ou mudo.
Senão, o amor é impossível mesmo!

Um comentário:

Seu comentário é importante, mesmo que seja nada, ele pode ser tudo.