O Pé

O Pé
Tudo que pisamos, nos apoia.

26 de jan de 2009

CARNAVAL: FESTA PARA CRENTES!!!

Com a proximidade cada vez maior da festa do povo, cabem alguns comentários, históricos e pessoais sobre o caos festivo que tomará conta de nossa cidade em alguns dias.
Além da profusão de bailes, blocos e rodas de samba que já começaram, vamos também presenciar isto pela televisão aberta que já apresenta suas vinhetas entediantes, cheias de mulatas e destaques em roupas (?!?!) sumárias cheias de brilho.
Não serei mentiroso em afirmar que não afeta ver. Não sou celibatário e nem assexuado.
Mas o bom comportamento já completa hoje 1 ano e 26 dias.
Bom comportamento por escolha.
Claro que a tentação e tensão sexual aumenta no período onde o que menos vemos são corpos cobertos.
Mas o livre arbítrio nos permite dizer não.
Na corrente contrária, em alguns dias nosso prefeito estará entregando a chave da cidade para o Rei Momo, como fez ano passado o nosso ex-prefeito Cesar Maia. Os dólares que entrarão pelo turismo festivo e sexual, abarrotará os cofres municipais e das indústria de bebidas.
O Carnaval surgiu, no século XI, a partir criação da Semana Santa pela Igreja Católica. A festa da carne antecede quarenta dias de jejum, a Quaresma. Esse longo período de privações, incentivaria a reunião e diversas festividades nos dias que antecediam a Quarta-feira de Cinzas, o primeiro dia da Quaresma.
Em contraste com a Quaresma (tempo de penitência e privação) estes dias são chamados "gordos", em especial a terça-feira (Terça-feira gorda, também conhecida pelo nome francês Mardi Gras).
O Carnaval é um período de festas regidas pelo ano lunar no Cristianismo da Idade Média. Este período é marcado pelo "adeus à carne" ou "carne vale" dando origem ao termo "Carnaval".
Evangélicos, na sua maioria, no período carnavalesco, vão para retiros ou acampamentos, com o intuito de renovarem suas forças longe do pecado pulsante que nesta época aflora em todas as ruas da cidade.
Parece contraditório.
No momento que a cidade mais precisa de oração e ação dos evangélicos, eles assinam embaixo a entrega das chaves para o Rei Momo, que durante o Carnaval vai reinar.
Desaparecem.

Poucos grupos ficam na meio da carnalidade mostrando que a vida não se resume a homens vestirem-se de mulheres e mulheres mostrar tudo que não mostram nos dias seus dias rotineiros.

Falta puritanismo exacerbado? Ou fundamentalismo?

Ou falta coragem?

Ou não estamos preparados para gritar aos quatro cantos as mudanças que Cristo fez em nossas vidas. Não só no Carnaval, mas nos outros dias...

Diria que acabamos sendo cúmplices
.
Cúmplices por omissão.
Sempre é mais fácil não fazer.
É mais simples escrever algumas linhas condenando todos.
É cômodo ir para algum lugar distante e retirado para não presenciar aquilo que deveria estar tentando impedir.
Ninguém vai conseguir consertar o mundo todo. Muito menos ser correto o bastante para poder condenar qualquer pessoa. A religiosidade plantonista dos domingos, ruge durante 52 dias do ano, dentro de seus templos contra o pecado. No entanto, não servem de exemplo nos outros dias do ano.
Um conhecido meu, foi passar um anti-vírus no PC de uma pessoa, que estava com problemas e travando muito. A pessoa pediu que se possível, não apagasse nada e se tivesse que formatar, salvasse as pregações, esboços de sermões que ele tinha gravado. Onde tinha mais vírus era na pasta de arquivos temporários. Mais de 500 MB de arquivos.
Por curiosidade, este conhecido foi ver que tipo arquivo ocupava tanto espaço e porque tantos vírus nos temporários.
Para surpresa, os arquivos e cookies eram de sites pornográficos com todo tipo de imagens, desde de teenagers até sexo com animais.
Estes sites são verdadeiros poços de vírus e de bestialidade.
Não há como servir a Baal e a Deus.
Não dá para usar terno no domingo e achar que a imagem é santificada.
Alguns religiosos de plantão preferem acusar quem está na igreja, do quem ir em busca da ovelha perdida.
A culpa não é de quem no período carnavalesco exibe seu corpo, faz sexo indiscriminadamente ou bebe até cair.
A carne já tem inclinação para o mal. Como Paulo bem escreveu, o mal que não quero faço e o bem que devia, não faço. Cabe a todos nós, supostamente salvos por Jesus, tendo Ele como Senhor de nossas vidas, nos outros dias do ano mostrar uma perspectiva de vida diferente para os carnavalescos.
Mostrar que somos diferentes pelo que acreditamos e vivemos.
E não mostrar que somos diferentes pelo que vestimos ou aparentamos.

Um comentário:

Seu comentário é importante, mesmo que seja nada, ele pode ser tudo.