O Pé

O Pé
Tudo que pisamos, nos apoia.

5 de dez de 2008

EU ERA ESTRANHO E NÃO SABIA? pt 3

Quando comecei a escutar rock, desde o inicio não tinha somente uma tendencia a escutar baladas progressivas.
Tinha já o metal enferrujando nas veias.
Trocadilho estranho.
Conheci através de um amigo o estranho Zé Carlos (aquelas apresentações doentias, tipo: vocês escutam muzk de doido, então vão ser amigos).
Também alto, usava óculos preto, calça comprida também pescando siri, porém, não muito magro.
Nossos gostos e hábitos não tinham muitos pontos em comum.
Zé Carlos que me apresentou ao lado pesado do rock: Deep Purple, Kiss, Queen, Foghat, Led Zeppelin e Black Sabbath.
Sua mãe deixava a gente ir na casa dele.
Ela parecia uma cigana.
Era separada. Desquitada.
Talvez por isso o desviod e conduta do filho, diziam os detratores da época.
Ele não era nem um pouco cuidados com os discos.
Cheios de poeira, arranhados, capas rasgadas.
Deixar ele levar algum vinil para casa, era como se tivesse jogado no lixo.
Voltava uma penúria só.
Uma vez quando fui na casa dele pegar uns LPs que tinha emprestado para ele, ele tinha cabado de voltar da Urca onde tinha ido com o pai fazer pesca submarina.
Sua mãe tinha preparado arroz com frutos do mar.
Aquelas coisas gosmentas misturadas com arroz.
Ela perguntou se eu gostaria de experimentar.
Agradeci e disse que não.
Quando ela saiu, Zé Carlos com sua brutal gentileza falou para eu experimentar o arroz que sua mãe tinha feito.
Bem, experimentei.
Acho que por isso não gosto destas coisas gosmentas do mar.

continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é importante, mesmo que seja nada, ele pode ser tudo.