O Pé

O Pé
Tudo que pisamos, nos apoia.

10 de out de 2008

TUDO QUE PISAMOS, NOS APOIA.

Talvez uma das máximas das relações humanas, seja o pouco caso que se faz em relação ao próximo.
Possivelmente, a maneira sarcástica de muitos se sentirem bem, é pisando em outros.
Quanto mais ruim de pior, melhor para a pessoa que anseia sempre pelo pior alheio.
Fiquei pensando nesta estranha relação que temos com coisas e pessoas que estão abaixo de nós.
Pisamos constantemente no chão.
Mas sem ele, não conseguimos andar.
A expressão ficou sem chão, se diz quando alguém perdeu o rumo por causa de uma situação adversa.
O chão é importante.
No entanto, pisamos nele.
Há alguns dias escrevi sobre a desgraça de ajudar alguém.
Muito mais pelo sentido, que quanto mais você apoia, mais fatalmente é pisado.
Lógica do absurdo?
Não tenho este espírito sofredor de ajudar e ficar feliz em ajudar. E ainda por cima ouvir sandice, que só se resolverão a base de muita terapia.
Terapia com o próprio espelho.
Mas se muitos não pensam que muitas vezes ignorar o apoio que recebe, para não ter que dividir os louros do sucesso, da vitória esta ação é muita mais egocêntrica do que parece.
Tinha um chefe, logo quando comecei a trabalhar, que chamava seus funcionários para ouvir as idéias
Como ele, apesar de formado em Marketing, era uma verdadeiro túmulo de idéias, utilizava nossas sugestões e pensamentos para apresentar aos superiores como se fossem suas próprias.
Isto é até normal no capitalismo selvagem.
Para completar a personalidade do dito cujo, ele tinha feito seminário teológico batista.
Ele poderia se transformar em pastor a qualquer momento.
Bastava alguma igreja incauta chamá-lo.
Ética do umbigo.
Imagino quais os conceitos torpes e distorcidos que ele estaria ensinando em sua igreja.
Neste caso, a razão prevaleceu sobre a religiosidade plantonista.
A consciência, a ética e a razão devem ser os pilares de nossas relações.
Essas três devem ser o apoio para nossas relações e relacionamentos.
E não pisar para galgar parâmetros, como diria o sábio Lazzaroni no seu linguajar futebolês.
Alguns, ou muitos,  conseguem subir afundando na lama a cabeça alheia.
Uma imagem surreal.
Porque ninguém sobe afundando outro.
Apenas tem a sensação de subir.
Mas esta ficando fora da lama, chafurdando outros.
Num determinado momento, não tem mais ninguém para mantê-lo fora da lama.
Este meu ex-chefe, depois de muito aprontar, num determinado momento de sua vida resolveu sair do armário.
E de dentro do armário, saíram muitos fantasmas de seu passado.
A partir daí, corporativismo pastoral ou amigos influentes não conseguiram sustentá-lo fora da lama.
E nenhum dos supostos amigos estendeu a mão para ajudá-lo.
De gerente de marketing a vendedor de enciclopédia Barsa.
Em alguns meses.
A partir deste ponto, começou a ser pisado.
O chão que ele pisava se abriu.
Foi engolido pela terra e pelo seu próprio ego, que o impediu de perceber que tudo que pisava, era seu apoio.
Os funcionários, os amigos e os parentes.
Um dia, o mundo amanhece de ponta-cabeça. 
Aí, pode ser tarde para alcançar um galho para escapar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é importante, mesmo que seja nada, ele pode ser tudo.