O Pé

O Pé
Tudo que pisamos, nos apoia.

14 de out de 2008

O MEU DEUS, É O DEUS DO POSSÍVEL.

Nas últimas semanas, devido a campanha em pró das missões, muitos missionários tem ido aos serviços da minha igreja falar.
Experiências fortes e desafiadoras.
Nada perto da religiosidade plantonista rotineira.
Uma fé enorme eles depositam em Deus.
Um exemplo a ser seguido.
Entretanto, meu ceticismo pousa no meu ombro e começa a falar no pé do meu ouvido sobre a impossibilidade exagerada que eles testemunham.
As pessoas precisam de um profusão de impossibilidades para acreditar que Deus existe.
Para mudarem suas vidas.
Quero nadar contra a corrente.
Fico pensando que a quantidade de impossibilidades é sempre menor que a quantidade de possibilidades.
A chance de alguém morrer por uma colisão de um asteróide com a terra é em torno de 1 em 20.000, a mesma probabilidade de alguém morrer em um acidente aéreo.
Ou a probabilidade de alguém acertar a Megasena escolhendo apenas 6 números é de 1 em 50.000.000.
Poderia enumerar dezenas de impossibilidades aqui.
E pensar que Deus só atua naquelas que estão na casa do impossível ou do improvável, é impensável.
Tenho uma amiga que recebeu o chamado missionário.
Vai trabalhar em terras além-mar.
Acho que só vou acreditar, sem ceticismo algum, destas proezas de fraturas múltiplas são curadas através da oração, ou qualquer outra coisa sobrenatural acontecer se ela contar.
Não que eu desacredite.
Mas só missionários recebem a chance de presenciar estes milagres?
Se para Deus, não existem favoritos, porque eles seriam premiados com tal premissa e nós pobres cristãos mortais não?
Trabalho numa área de risco.
Dentro de uma comunidade onde o tráfico domina e a polícia semanalmente faz incursões na busca de criminosos ou cargas roubadas.
O possibilidade de uma bala perdida é enorme.
Ando de bicicleta todos os dias.
E vou para diversos lugares em meio a este trânsito caótico que temos.
Fui atropelado uma vez. Por um descuido meu.
Sofri apenas arranhões e a vergonha de eu ter sido o culpado.
Se cada um de nós começar a pensar nestas pequenas coisas vai descobrir, que as nossas vidas são baseadas nas possibilidades.
E não no impossível.
Não estou aqui dizendo que não é possível que seja atingido por uma bala perdida ou seja morto em um atropelamento.
Estou dizendo que somos guardados diariamente e salvos a todo momento.
Infelizmente, se não contarem algumas coisas impossíveis, alguns não vão acreditar que Deus existe.
Ou que só o impossível que é verdadeiro.
Esta miopia religiosa afeta milhares de crentes.
Crentes porque apenas crêem.
E não cristãos, mudados e transformados.
Mas esta pequena diferença semântica é um verdadeiro abismo para aqueles que desejam apenas a emoção instantânea. 
O prazer viciante aplicados em dose maciças desequilibradas de emoção e comoção.
Por isso, as pessoas acreditam nas unções humanas de leões e cordeiros. 
No sopros que derrubam.
Nos paletós poderosos.
Ou nos dentes de ouro.
Existe um discurso oficial de pastores.
Existe um relato oficial dos missionários.
Quase uma linguagem inerente ao chamado que eles tem.
Uma ladainha que mesmo sendo verdadeira, peca pela desconfiança que temos nas pessoas.
Este Deus do Impossível está muito distante para mim.
Eu acredito no que está comigo em todos as horas, nos momentos mais simples.  

Um comentário:

  1. Oi Luiz, vim agradecer sua participacao na blogagem e já vi que vc pegou o selo por lá.

    Eu acredito no Deus dos impossíveis, até mesmo porque já experimentei minha parte nesse milagre. Nao me considero religiosa. Mas tenho a minha fé. Durante 15 anos esperei por meu filho. Os médicos me diziam que meu caso era sem esperanca e a esperanca do crer no impossível se chama Daniel e Viviane.
    Quinze anos crendo na vinda do Daniel na minha vida e 20 crendo que a Viviane seria a minha próxima bencao nesse Deus dos impossíveis. Acalme o seu coracao; tenho certeza que Ele vai falar com você.

    Um grande abraco

    ResponderExcluir

Seu comentário é importante, mesmo que seja nada, ele pode ser tudo.