O Pé

O Pé
Tudo que pisamos, nos apoia.

28 de ago de 2008

A MORBIDA CURIOSIDADE DA VIDA ALHEIA

Depois de passar alguns agouros com a febre, a virose não identificada, a semana começou no sentido oposto a semana passada. Até porque ficar ouvindo várias pessoas dizendo que tenho que ir ao médico, chega a ser quase tão irritante quanto não receber os centavos de troco.
Após 500 gramas de mel saboreados com limão e própolis, graças a esposa do pastor da minha igreja, e a distância divergente de pensamentos inconclusivos, estou me sentindo melhor e pronto para reclamar de religiosos de plantão e querer meus centavos.
Normalmente não uso o Orkut.
Depois dos orkuticídios cometidos, resolvi ficar a margem do processo da bisbilhotagem geral.
Desativei atualizações na página principal dos amigos. Não desativei as minhas, até porque, com os poucos amigos que tenho no site, não vou ficar irritado com a bisbilhotação.
Porém, por mais a particularidade não seja mantida restrita, as vezes troco alguns scraps com alguns, que na maioria das vezes apagam sua página de recado por inteiro.
As vezes a gente conhece algumas pessoas troca algumas mensagens, que são acompanhadas com afinco como se fosse um soap-opera.
Numa inversão das relações exteriores o público se torna privado, e o particular vira macro.
O século 21 é marcado pela imagem, mas que palavras.
Até entendo que a velocidade da informação se torna mais ágil através de imagens do que palavras. Até porque interpretar imagens seja mais fácil que lidar com palavras.
Quem detém a informação carrega consigo o poder de subjugar os outros, pelas palavras que normalmente destroem.
O Orkut explora a privacidade alheia.
E todos nós contribuímos para exposição máxima.
As vezes recebo convites para participar de comunidades narcisistas: Eu Amo Axel (comunidade criada pelo próprio) ou Eu Conheço Slash (comunidade também criada pelo sujeito em questão).
Eu acho que vou criar uma comunidade nestes moldes, entretanto, sarcástica. Nada de bajulações ensandecidas, exaltando amim mesmo por mim mesmo.
Eu Infelizmente Conheci o Krek.
Bem mais sugestiva e mordaz. Nada de narcisismo. Está mais para Áries.
A cada momento surgem novas ferramentas para bloquear os bisbilhoteiros de plantão.
Desativação do botão direito do mouse para impedir salvar fotos alheias, bloqueio a área de scraps por curiosos ávidos pela vida dos outros.
Só não conseguimos impedir o acesso dos amigos.
Acho que vou entrar na fase de silêncio virtual através do Orkut.
Só depoimentos.
Uma prática já usada e muito difundida.
Neste século ninguém fica olhando por detrás das cortinas o vizinho ou tenta ouvir pelas paredes o que se conversa na sala ao lado.
Vai para a internet e procura no Google o nome do vizinho. Ou vai no Myspaces ou Orkut desvendar a vida alheia.
O Orkut existe para suprir esta curiosidade mórbida de saber da vida e segredos do próximo.
Bem, a vida é mais ampla e dinâmica que a pobre vida virtual de mandar scraps e acompanhar conversas alheias.
Mas eu insisto em achar que os religiosos da vida alheia vão mudar as práticas.
Pelo menos estou tentando acreditar que alguns podem mudar para melhor.

2 comentários:

  1. Orkuticídio... a suloção final!!!

    Depois que cometi meu orkuticídio, a mais de 4 anos atrás, senti-me aliviado do fardo da indiferênça.

    ResponderExcluir
  2. Se criar a comunidade, eu quero ser o segundo a me associar... segundo, porque você, como um bom nascisista, será o 01!

    PJS

    ResponderExcluir

Seu comentário é importante, mesmo que seja nada, ele pode ser tudo.