O Pé

O Pé
Tudo que pisamos, nos apoia.

6 de mai de 2010

AS PALAVRAS E O GLOBO

Comemorando 3 anos de BLOG, resolvi resgatar alguns textos.
"Hoje quando fui na cidade pegar umas fotos, passei no trabalho do Diogão, e ele me perguntou: aí já postou no blog a sua volta? Devia escrever ou não...revelar o escondido. Um amigo disse que eu exponho muito o que sinto. Mas acho que os momentos que temos, podem ser divididos com outros. Mas, como Mario Quintana escreveu: Quem não compreende um olhar, tão pouco compreenderá uma longa explicação.
Dentro do onibus comecei a pensar se escreveria ou não sobre a volta...volta dos que talvez nem tenham ido. Estava ouvindo Van Halen no MD, para variar, e pensando em que escrever. Começaram a passar pela cabeça algumas coisas.
Lá pelos 7 anos, eu acho, uma tia comprou para mim um globo terrestre, Finlandês, importado, iluminava-se por dentro e mostrava toda a divisão geo-politica da época. Apagado ele mostrava a topografia e geografia terrestre. Muito legal. Passado alguns anos, os netos desta minha tia nasceram, e um belo dia, com todo mundo na sala após um almoço, ela esbraveja comigo: agora que você está grande, não precisa mais daquele globo que eu te dei, dá ele pra meus netos. Diante da cena total de constrangimento dei o globo e fui reclamar com minha mãe sobre o fato que disse assim: ela é assim mesmo mas tem um bom coração. Bom esperei alguns anos, mas dei o troco. Vingança!!!!! Não. Justiça. Meus filhos nasceram e da mesma forma que ela fez comigo, devolvi o constragimento para ela: tia, agora que seus netos estão grandes não usam mais o globo, deviam devolver para meus filhos usarem como você fez anteriormente.
Quando eu tinha uns 10 ou 11 anos, a educação física era matéria obrigatória. A cada dois meses trocava-se a modalidade...um rodízio esportivo. A natação era obrigatória. Era o pior para mim. Odiava natação. Os professores gritavam, obrigavam a gente a nadar nas gélidas águas das piscinas do Instituto de Educação. Acho que este foi meu primeiro ato de protesto. De rebeldia. Parei de ir as aulas. Fui então chamado ao SOE, COE, COB, COI e outras tantas siglas para saberem porque eu não queria fazer natação. Simplesmente não queria e pronto.
Depois de muitas idas e vindas, terminei numa sala com um dos professores (treinador de natação do Flamengo, na época, super conhecido e conceituado) para finalmente resolver minha situação. Ele me perguntou porque não e respondi do mesmo jeito que anteriormente quando indagado: não gostava e não queria fazer! Ele então me disse: a Terra tem 3/4 de água, como vc pode não gostar da natação?
Não gostando.
A sensação de perda talvez seja uma das piores emoções que sentimos.
Por vezes, pela falta de algo ou alguém que nos complete vamos em direção do preenchimento dos vazios dos tijolos em nossas paredes (Another Brick on the Wall, Pink Floyd). Talvez eu tenha ido preencher o buraco na parede. Acho que estava usando gesso com papelão para cobrir o buraco na parede de concreto. Pelo menos percebi a tempo.
O que mais me incomoda não são atitudes, tapas, socos, etc.
São as palavras. Se você confia em alguém, as palavras se tornam tijolos nas paredes, muitas vezes completando definitivamente o buraco. O pior é quando você descobre que as palavras são gesso com papelão.
A mesma tia do globo, há uns anos atrás resolveu me procurar, queria me ver e falar comigo, ver meus filhos também. Naquele momento vieram as palavras que ela me disse uns anos antes que eu não poderia cuidar da minha mãe, quando ela sofreu um AVC, porque não tinha o mesmo sangue dela, mas ela podia porque ela era sangue do mesmo sangue da minha mãe. O poder das palavras é muito maior que parece, que se pode medir.
Se eu tinha decidido ir embora, ou me afastar por causa de palavras, voltei por causa do caminho que tinha escolhido. Um erro de outrem não justifica erros que eu possa cometer.
As guitarras já estão pintadas de novo, não preciso esconder tatuagens ou deixar de fazer mais uma, nem muito menos ser bonzinho.
Como Mario Quintana escreveu também: um dia saberemos que ser classificado como "o bonzinho"nao é bom, um dia percebemos que a pessoa que nunca te liga é a que mais pensa em você.
As vezes é melhor realmente deixar algumas pessoas de lado nas nossas vidas. As palavras são poderosas.
Eu não vejo ou falo com esta minha tia já faz uns anos.
Ah...o globo está lá em casa."

Publicado originalmente em 01/08/2007

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. E eu que acompanhei toda essa tragetória, tenho algo que não é nada novo para te dizer a alguém que ao logo de conversa percebi que conhece mto mais ditados do que eu...
    " pimenta no cuso dos outros é doce!"
    um dia você aprende que:
    E você aprende que amar não significa apoiar-se,
    e que companhia nem sempre significa segurança.
    (...)
    E começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida
    e olhos adiante, com a graça de um adulto
    e não com a tristeza de uma criança.
    (...)
    E aprende que não importa o quanto você se importe,
    algumas pessoas simplesmente não se importam...
    E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa,
    ela vai feri-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la por isso.
    (...)

    Descobre que se leva anos para se construir confiança
    e apenas segundos para destruí-la,
    e que você pode fazer coisas em um instante,
    das quais se arrependerá pelo resto da vida.(Acho q a Tia se arrependeu, Deus queria q tenha se arrependido)
    (...)
    Aprende que as circunstâncias e os ambientes tem influência sobre nós,

    mas nós somos responsáveis por nós mesmos.

    Começa a aprender que não se deve comparar com os outros,

    mas com o melhor que você mesmo pode ser.

    Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser,

    e que o tempo é curto.

    Aprende que não importa onde já chegou, mas onde está indo,

    mas se você não sabe para onde está indo,
    qualquer lugar serve.(É uma pena que tem gente q vai viver perdido, ou tentando crer que o que os outros querem pra si é o que vc tb quer, e assim acabaram, sem uma vida própria, e irá viver de infundadas suposições´... se eu tivesse feito isso, ou lutado por aquilo, ou por aquele alguém... É eu LAMENTO!)
    (...)
    Aprende que, ou você controla seus atos ou eles o controlarão,
    e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade,
    (...)
    pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação,
    sempre existem dois lados.( E eu não estou me contradizendo aki não,Luiz)
    (...)

    E você aprende que realmente pode suportar...
    que realmente é forte, e que pode ir muito mais
    longe depois de pensar que não se pode mais.
    E que realmente a vida tem valor
    e que você tem valor diante da vida!
    Nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o bem
    (...)
    QUE PODERÍAMOS CONQUEISTAR SE NÃO FOSSE O MEDO DE TENTAR."(me orgulho de tê-lo como amigo pq, sei que qdo tem um objetivo vc vai lá e mete o pé na porta, e diz a que veio sem vacilar)
    Bom, mais uma vez escrevi mais que você em seu Blog, mais com a ajuda de William Shakespeare também disse o que vim dizer.
    E quer saber, Um dia as pessoas aprenderam que é preciso muito mais que ser, ou como você disse em algumas postagens, "parece" bonzinho, no padrão. é preciso ser. e você é: LUIZ CARLOS MENEZES!
    bjim Carla Cris.

    ResponderExcluir
  4. Nossa... isso não é um comentário, e sim um poema!!!!

    ResponderExcluir

Seu comentário é importante, mesmo que seja nada, ele pode ser tudo.