O Pé

O Pé
Tudo que pisamos, nos apoia.

27 de abr de 2007

Why not?

Antes de eu começar a ler, ou estava ainda sendo alfabetizado, não lembro bem, minha mãe me deu de aniversário um livro. Editora Record. Nome do livro: POR QUÊ. O livro tinha dezenas de perguntas, Por que chove? Por que os gatos miam? Por que de dia faz sol?
O livro vinha com duas respostas. Uma para a criança e outra mais técnica para o adulto. Lembro que eu ficava pertubando minha mãe para ela ler o livro para mim. Eu olhava a figura e perguntava o que era aquilo.
Não custa dizer que tenho o livro até hoje. Quase 40 anos. Jurássico. Minha filha Joanna vai dizer. Pô Pai Tu é Velho!!!
Este blog está parecendo mais um revival. Um blog de memórias. Se eu fosse mais novo teria tendinite, mas como nasci no período mezozóico tenho artrite de tanto digitar minhas memórias.
Back to Future
Este livro amalgamou (bonita palavra!) minha personalidade pela adolescência, juventude e agora na terceira idade. Já que o livro tinha resposta para dezenas de dúvidas que afligiam a mente de uma criança, cresci achando que tudo tinha resposta. Pelo menos devia ter. Por mais absurda que possa ser.
Descobri que as respostas existem. Por mais que você insista, muitas vezes ganha uma resposta vaga, ambigua, escorregadia.
Li algumas partes do livro The Body Talks. Aconselho a todos lerem. Misture as respostas vagas, ambiguas, escorregadias com a linguagem do corpo, talvez aí você consiga entender as cabecinhas complexas que existem por aí. Talvez. De qualquer forma leia o livro. Baixe na internet.
Quando li O Alienista de Machado de Assis também achava que todo mundo devia ser internado. Comecei a perceber que eu era normal. Eu nunca fui de dar respostas vagas, ambiguas, escorregadias.
Por que isso?
Porque quando eu era criança minha mãe me deu este livro. Este livro mudou a minha vida. E não é um livro de auto-ajuda de Lair Ribeiro.
A minha série preferida é Seinfeld. Passa na Sony. Eles falam tudo sobre o nada, como o próprio Seinfeld definiu em um dos episõdios que contava como tiveram a idéia de realizar o show e apresentaram ela para os executivos da tv. Eles não explicam nada. Nem porque.
Depois de Seinfeld, assisto a todos os CSI: Miami, New York, Las Vegas, Nova Iguaçu, Nova Delhi (viva o franchising!). Além disso, todas as músicas de abertura destes seriados são da melhor banda de rock: The Who (nada de Flaming Lips, me desculpe amigão). Todos eles tem explicação para todas as evidências encontradas. Por mais improvável, todas as provas levam a prender o criminoso depois de montado o quebra-cabeça. Logo, tudo tem resposta. Por mais complexo que seja o caso. Tudo tem um porquê!
Na nossa vida não recebemos as respostas mais importantes, os porquês. Por mais que desejamos ser um CSI, montar o quebra-cabeça, desista de saber o porquê. As cabecinhas complexas que permeiam nossas pobres mortais vidas não explicam os porquês!!!
Pelo menos deviam.
No domingo, antes de começar a celebração da noite (termo da moda) estava fazendo um warm-up para a mão direita. Estava tocando Desculpa do Sucesso do DDM quando chega perto de mim o filho de uma amiga, ele deve ter uns 8 anos, bem comunicativo, inteligente, bem articulado e me diz:
Tio, por que você não está tocando cânticos da igreja?
Straight between the eyes
Caramba!
Rapidamente veio uma série de porquês sobre a pergunta.
Será porque a música não lembra em nada as cantilenas lamuriantes da Lagoinha, Pantaninho ou Laminha.
Careca, tatuado, guitarra descascada, distorção ligada, e ainda por cima divorciado...misericórdia. Será que ele ganhou a versão atualizada do POR QUÊ?
Resolvi cantar para ele a letra da música para ele saber que eu estava tocando música de crente! Ele virou para mim e disse: ah, cântico de rock da igreja!
Imagem é tudo! Áudio é tudo!
Para deleite geral fui ao gabinete. Por quê? Para tirar algumas dúvidas. Já falaram para mim que eu penso associativamente, cada fato ligo a outro para montar o quebra-cabeça. Bem CSI. Fiz isso.
Mantra
Ser diferente é normal.
Ser diferente é normal.
Ser diferente é normal.
Ser diferente é normal.
Ser diferente é normal.
Ser diferente é normal.
Ser diferente é normal.
Ser diferente é normal.
Ser diferente é normal.
Ser diferente é normal.
Ser diferente é normal.
Ser diferente é normal.
Ser diferente é normal.
Ser diferente é normal.


Pausa


Por que um cara amarra explosivos no corpo e detona no meio de uma multidão?
Por que impeachment no Collor e no Lula não?
Por que respostas escorregadias, vagas, ambiguas?
Por que Sandy e Junior se separaram?
Por que dizer não ao invés de sim?
Por que beber refrigerante diet se você quer emagrecer?
Por que logo aquela e não outra?
Por que você?
Por que eu?
Por quê?

5 comentários:

  1. Por quê tantas perguntas pra tão poucas respostas?
    Por quê sim ou não e não um talvez, quem sabe?
    Por quê respostas exatas e não um certo mistério?
    Por quê tantos porques?

    ResponderExcluir
  2. desta vez tive paciencia de ler ! realmente pq a razão de tantas coisas ? hj vejo isso um pouco diferente ! não costumo mais questionar tanto , prefiro me arrepender do q fiz , pergunto o pq depois , afinal a vida é para ser vivida e ela é curta de mais ! quero me apaixonar mais , me arriscar mais e deixar o pq de lado por alguns minutos ! talves isso possa ser diferente de alguma forma !

    ResponderExcluir
  3. Acho que você já pode colocar uma publicidade no seu blog e ganhar um dinheirinho com tudo isso. Muito legal! hehehe

    ResponderExcluir
  4. kasopakpakdopksapoksaop!

    velho?! IDOSOO!


    HAUHSUHSAUASHUASHUA(eu sou muuuito má...faloo na laataaaa! Hum...quem me ensinouu?! tuu! agora AGUENTAAA! uahauhsuahushuas)



    a resposta do seus 'por ques' :
    simples...pq sempre tem um mongolóide p. pergunta e outro p. respodeer...haushuahsauhsaua

    ResponderExcluir
  5. Por que vc não foi ao Municipal?

    ResponderExcluir

Seu comentário é importante, mesmo que seja nada, ele pode ser tudo.